Polícia Federal descarta sabotagem em acidente aéreo que matou Teori

vemvercidade 06 Jan, 2018 08:55 - Atualizado em 06 Jan, 2018 08:57 Do Noticias ao Minuto
Teori Zavascki morreu no dia 19 de janeiro do último ano
Wilson Dias/Agência Brasil Teori Zavascki morreu no dia 19 de janeiro do último ano

A Polícia Federal rejeitou a hipótese de sabotagem no avião envolvido no acidente aéreo que matou o então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki e outras quatro pessoas há quase um ano.

A perícia feita pelo Grupo de Bombas e Explosivos da PF do Rio de Janeiro não detectou qualquer indício de que tenha ocorrido um incêndio interno. Não há sinais de explosivos ou produtos químicos.

Teori Zavascki morreu no dia 19 de janeiro do último ano, após o avião em que viajava de férias cair no mar de Paraty, no Rio de Janeiro. Além do ministro, o empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, de 69 anos, o piloto Osmar Rodrigues, 56, a massoterapeuta Maíra Panas, 23, e sua mãe, Maria Hilda Panas Helatczuk, 55, também morreram no acidente.

De acordo com a coluna Poder, da 'Folha de S. Paulo', a investigação está sendo realizada em caráter sigiloso pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica), em Brasília, pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal de Angra dos Reis.

Aspectos como destroços do avião, motor, informações do tráfego aéreo, análise das gravações feitas por um aparelho recuperado após a queda são alguns dos pontos que foram analisados por mais de 15 peritos da PF de Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

A PF informou que a investigação está dentro de um prazo compatível com o tipo de acidente e ainda não informou um prazo para a conclusão do inquérito, pois ainda depende de informações que estão sendo levantadas por empresas e outros órgãos.

"O Brasil receberá todas as informações tão logo se tenha ciência do resultado do inquérito", informou a presidente do STF, Cármen Lúcia.




Noticias relacionadas