Última recessão econômica no País foi a mais intensa desde 1980, aponta Comitê da FGV

vemvercidade 30 Out, 2017 16:27 - Atualizado em 30 Out, 2017 21:06 Estadão
Recessão ficou para trás, mas ainda há um caminho considerável até que a economia nacional se recupere
Foto Reprodução Recessão ficou para trás, mas ainda há um caminho considerável até que a economia nacional se recupere

Após uma longa recessão, a atividade econômica brasileira entrou num período de expansão a partir do primeiro trimestre de 2017, mas a retomada tem sido mais lenta do que nos períodos de crise registrados no passado, segundo avaliação do Comitê de Datação de Ciclos Econômicos da Fundação Getulio Vargas (Codace/FGV).

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro encolheu 8,6% em 11 trimestres de recessão. Em reunião na última sexta-feira, o Codace, órgão independente criado pela FGV para acompanhar os ciclos da economia, identificando períodos de expansão e retração, marcou o quarto trimestre de 2016 como o fim da recessão. O ciclo de retração tinha começado no segundo trimestre de 2014.

"Além de a recessão terminada no quarto trimestre de 2016 ter sido longa e intensa, o Comitê avaliou que a recuperação tem se mostrado até aqui lenta em comparação com o padrão observado nas saídas de recessões anteriores", declarou o Codace em comunicado divulgado nesta segunda-feira.

A recessão ficou para trás, mas ainda há um caminho considerável até que a economia nacional se recupere. A atividade econômica teria ainda que crescer 4,3% a partir de 2019 para retornar ao nível de 2014, quando o ciclo recessivo começou, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Considerando o crescimento populacional, o Brasil só se recuperará em 2022, conforme cálculos da LCA Consultores.

As projeções do Ipea apontam crescimento de 0,7% no PIB de 2017, seguido de avanço de 2,6% em 2018. Por isso, para voltar ao nível anterior à recessão, faltaria crescer 4,3%, avanço difícil para um ano apenas. Ainda assim, o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo de Castro Souza Júnior, não descarta crescimento acelerado em 2019. "Não é fácil, mas não é impossível. Há ainda indefinições acerca de reformas e do cenário político, mas, havendo ambiente favorável, é possível crescer mais", disse. 




Noticias relacionadas