Bolsonaro diz que leite condensado é para ‘enfiar no rabo da imprensa’

vemvercidade 28 Jan, 2021 09:15 - Atualizado em 28 Jan, 2021 09:17

O presidente Jair Bolsonaro comentou a polêmica sobre o gasto de R$ 1,8 bilhão do governo federal em alimentos e bebidas em 2020. Em um almoço com artistas, o presidente atacou a imprensa. "E quando eu vejo a imprensa me atacar dizendo que comprei 2 milhões e meio de latas de leite condensado. Vai pra puta que o pariu, imprensa. Imprensa de merda essa daí. É pra enfiar no rabo de vocês aí, vocês não, vocês da imprensa, essa lata de leite condensado toda aí", disse o presidente.

Após ser interrompido por apoiadores aos gritos de "mito", o presidente continuou. "Não é para a presidência da República essa compra de alimentos, até porque nossa fonte é outra. (Inaudível) para alimentar 370 mil homens do Exército Brasileiro e também programas de alimentação via Ministério da Cidadania, também alimentação via Ministério da Educação, entre tantos e tantos outros. Essas acusações levianas não levam a lugar nenhum. E se me acusam disso, é sinal que não tem do que me acusar", disse.

O presidente ainda defendeu os gastos com chiclete, afirmando ter importância para as Forças Armadas. "Me acusam de ter comprado 4 milhões de chicletes. E quem já esteve no Exército já teve um catanho. Pessoal sabe o que é um catanho, quem serviu. Tem um chicletinho lá dentro. Isso não é mordomia. Não é privilégio". Ele prometeu mais explicações sobre os gastos na sua live semanal, que ocorre nesta quinta-feira (28). 

O presidente antecipou que pretende comparar os números com os do governo da ex-presidente Dilma Roussef (2011 a 2016). "E deixar bem claro, amanhã na live, junto com o ministro Wagner Rosário da CGU (Controladoria Geral da União), vamos demonstrar tudo isso, inclusive, que em 2014, a Dilma comprou mais leite condensado do que eu".