Fotografia solidária que conta histórias de vida no sertão da Bahia

vemvercidade 29 Ago, 2018 10:12 - Atualizado em 29 Ago, 2018 10:32 Portal A Tarde
A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa
Foto: Noilton Pereira A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa
A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa
Foto: Noilton Pereira A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa
A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa
Foto: Noilton Pereira A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa

As fotografias de Noilton Pereira, 45 anos, têm uma luz própria que transcende a realidade para virar poesia. Há quem compare as suas foto às de Sebastião Salgado. A sensibilidade, poesia e beleza das imagens captadas pelo baiano da cidade de Ruy Barbosa (BA), na Chapada Diamantina, impressionaram o próprio famoso fotógrafo brasileiro, radicado em Paris. Ao retratar o cotidiano de gente simples do interior da Bahia, ele humaniza as fotos e comove os seus seguidores nas redes sociais. O seu trabalho documental se torna ainda mais extraordinário quando se sabe que, por trás do prazer de registrar a realidade daquelas pessoas, existe uma ação social relevante. É que Noilton comercializa as suas fotografias na internet e toda a renda obtida é revertida em cestas básicas para dez famílias cadastradas no seu projeto "Sertão forte, povo lutador".

As fotos de Noilton Pereira rodam o mundo e rendem prêmios nacionais e internacionais

O sertão profundo dos casebres de taipa e seu do povo humilde, em meio a uma enorme diversidade cultural, é a sua matéria-prima. Com o seu olhar excepcional para a fotografia, ele captura sentimentos de alegrias e tristezas de crianças, jovens, adultos e idosos, mostrando as dificuldades e belezas do Sertão. Suas fotos rodam o mundo, rendem prêmios nacionais e internacionais, vencem concursos e, em 2017, estampou a capa do livro Lé Brésil vu par les brésiliens ao vencer um concurso promovido pela Divine Academie Française des Arts, Lettres et Culture, da França. Chamam a atenção de famosos e anônimos imagens como a de uma garotinha sorrindo, agarrada à boneca que encontrou no lixão. Em uma outra, de pura criatividade da infância, ele registra a brincadeira de três crianças posicionadas no chão de barro, em meio a dois pneus colocados em cada ponta, simulando uma moto. Esta pôde ser vista em um outdoor no Rio de Janeiro.

A pura catividade da infância registrada registradas pelas lentes de Noilton

"O meu objetivo é que essas famílias possam ter um mínimo de dignidade para viver. Saber que uma fotografia minha pode alimentar uma família é muito gratificante. Fotografá-las é, hoje, para mim, uma filosofia de vida e uma terapia ocupacional. Uma foto minha corresponde a uma cesta básica”, relata Noilton Pereira, que há 25 anos é loucutor da Rádio RB FM e há cinco caminha pela zona rural de Ruy Barbosa capturando imagens que lhe enchem os olhos e rendem solidariedade.

 "Nem me considero fotógrafo, porque não domino totalmente a técnica, sou autodidata. Diria que sou um caçador de imagens.Tenho como garantia apenas a minha sensibilidade e o meu desejo de ser solidário com essas pessoas tão carentes"

Aval de Sebastião Salgado: A trajetória de Noilton pela fotografia é instigante. Começa com a câmara do celular, passa por um equipamento semi-profissional e se consolida com uma câmara fotográfica profissional, que ele ganhou no Caldeirão do Huck (TV Globo), em outubro de 2017, quando foi convidado a participar do quadro O caldeirão é você. O convite surpresa se deu graças ao fotógrafo gaúcho José Paim, que ficou encantado com o trabalho dele, o qual conheceu na internet, e inscreveu Noilton, sem ele próprio saber. O apresentador do programa, um declarado colecionador de fotografias, conta que ficou emocionado com a sensibilidade exposta nas fotos de Noilton. “Antes do quadro ir ao ar, eu tinha quatro mil seguidores no Instagram @noiltonpop. Hoje, cheguei a marca dos 67 mil”, comemora a repercussão.

Uma declaração de Sebastião Salgado, exibida durante o quadro do programa, deixou Noilton atônito: “Você tem um trabalho que me impressionou, um trabalho de grande sensibilidade. Fiquei emocionado com o seu trabalho, você é muito sensível. E o que mais me chamou a atenção foi a confiança que as pessoas que fotografa te fazem para você trabalhar. Para fazer as minhas fotografias humanas, eu tive um grande prazer de estar com elas e eu sinto que você sente esse mesmo tipo de prazer; você está confortável no seio da comunidade que lhe recebe”. Sebastião disse, ainda, que as pessoas, hoje, fotografam muito pelo celular mas que, na realidade, essas fotografias são apenas imagens para se comunicarem. “Ao passo que o tipo de fotografia que você faz são documentários. Quando essas pessoas desaparecerem, esses registros serão uma grande memória do Sertão”, pontua o ilustre profissional que conheceu o trabalho de Noilton através do citado livro Lé Brésil vu par les brésiliens.