Polícia pede prisão preventiva de suspeito de estupros e roubos, indiciado por atacar 24 mulheres

vemvercidade 29 Out, 2017 11:21 - Atualizado em 29 Out, 2017 11:31 Do G1-BA
Adson Muniz Santos
Reprodução/TV Bahia Adson Muniz Santos

A Polícia Civil de São Paulo pediu à Justiça a prisão preventiva do empresário Adson Muniz Santos, detido desde o início deste mês por suspeita de cometer uma série de estupros e roubos a mulheres em São Paulo. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), ele foi indiciado por pelo menos oito crimes contra 24 vítimas, que o reconheceram.

De acordo com a SSP, ele responderá pelos crimes de estupro, roubo, sequestro, contravenção penal, uso de documento público e identidade falsos, perturbação da tranquilidade e importunação ofensiva ao pudor. Os ataques teriam começado em 2012.

O G1 não conseguiu encontrar a defesa de Adson para comentar o assunto nesta sexta-feira (27). Em declarações à imprensa, o homem de 34 anos negou ter cometido os crimes. "Essas acusações, a maioria delas, são falsas”, havia dito ele, que alegou sofrer um transtorno mental e pediu um tratamento para se “curar”.

O pedido de prisão preventiva, por prazo indeterminado, será decidido pela Justiça até o dia 9 de novembro, quando termina o prazo da temporária dele.

A solicitação deverá ser encaminhada ao Ministério Público (MP) para que o promotor do caso se manifeste a favor ou contra a manutenção da prisão. Adson está detido na carceragem do 77º Distrito Policial (DP), Santa Cecília, região central da capital.




Noticias relacionadas